Blog




Super dica para você cuidar da sua pele nesse frio!

postado em 23 de mai de 2018 06:12 por Tiago Morandi

Junto com a queda da temperatura e da umidade relativa do ar, este friozinho muda hábitos das pessoas. Sendo assim, listamos três dicas simples e fáceis de serem aplicadas por mulheres e homens no dia a dia para manter a aparência e a saúde da pele. Confira:



1. Beba água

Esta é uma mudança forçada pelo frio, bebemos menos água. Para evitar a desidratação da pele, manter a velha e boa regra dos dois litros diários é essencial para a saúde da sua pele.

2. Acelere no banho
Quando esfria, as pessoas passam mais tempo no chuveiro e deixam a temperatura da água bem mais quente. Isso afeta o manto hidrolipídico, uma proteção natural da pele, e causa ressecamento. Você pode até rir, por achar que estamos falando para tomar banho frio que realmente é difícil, mas evitar demorar muito no banho já ajuda diz os especialistas da área.

3. Proteja os lábios
Há partes do corpo que são mais sensíveis ao frio, e o lábio é uma delas. Aquele vento gelado pode queimá-lo, de acordo com especialistas. Entretanto vale lembrar o uso da nossa famosa manteiga de cacau ou um protetor sem cheiro, sem sabor, que podem proteger os lábios, principalmente para quem anda de moto e leva muito vento no rosto.

Gostou? Então curta nossa pagina e compartilhe para os amigos nas suas redes sociais!!!

5 Alimentos que sua região intima necessita que você coma.

postado em 21 de mai de 2018 06:13 por Tiago Morandi

Embora a higiene seja fundamental existem alimentos que ajudam você a manter sua área íntima em perfeito estado e também ajudam a prevenir ou combater as infecções.


1. Iogurte natural e alimentos ricos em probióticos

Uma vagina saudável conta com uma boa quantidade de bactérias saudáveis chamadas lactobacilos, um tipo de bactéria que ajuda a manter um nível de pH adequado.

iogurte e outros alimentos similares ajudam a manter os níveis adequados de lactobacilosA maioria de nós associa o iogurte unicamente à saúde intestinal, mas esta não é a sua única função.

Muitas vezes, o uso de antibióticos, a menopausa, o uso de anticoncepcionais e a terapia hormonal aumentam o risco de desenvolver infecções fúngicas, por isso o chucrute, o tempe ou alimentos fermentados fazer um grande trabalho no combate às infecções fúngicas.

2. Peixe

Se você sofre muito quando começa a menstruar é o momento de começar a comer mais peixe. As dores menstruais são causadas pela libertação de compostos inflamatórios chamados prostaglandinas que ajudam à contração dos músculos do útero.

Os ácidos graxos e o ômega-3 encontrados nos peixes, como no caso do salmão ou atum, têm elementos anti-inflamatórios que ajudam a aliviar esse desconforto.

3. Alimentos derivados da soja

A desagradável secura vaginal é resultado de redução dos níveis de estrogênio, um hormônio que ajuda a manter os tecidos elásticos e bem lubrificados.

O parto, a menopausa, a lactação e certos medicamentos para a alergia e o resfriado podem causar uma diminuição significativa nos níveis de estrogênio deixando a sua vagina seca o que gera certo desconforto.

4. Água

A água é um elemento que não deve ser evitado em sua vida diária. Seus benefícios para a saúde são inúmeros. Em relação à sua vagina, a água é necessária para que as membranas vaginais sejam mantidas em excelente condição.

Para que funcionem bem estas precisam estar bem hidratadas. A água contribui para a lubrificação natural da vagina e reduz os odores indesejados.

5. Batata-doce

Além de ser uma boa alternativa para substituir as batatas tradicionais, a batata-doce também é extremamente eficaz na manutenção da boa saúde vaginal.

Este alimento é repleto de vitamina A. Esta vitamina fortalece as paredes uterinas e estimula a produção de hormônios que ajudam a manter os nossos níveis de energia elevados.

Corrimento Vaginal é Normal?

postado em 16 de mai de 2018 06:32 por Tiago Morandi

O corrimento vaginal é considerado normal quando apresenta coloração clara ou esbranquiçada, parecida com clara de ovo, não possui cheiro fortenão provoca coceira ou ardência. Neste caso, trata-se de uma secreção vaginal normal.


No entanto, corrimento vaginal branco, amarelo ou esverdeado, com odor desagradável, pode ser algum tipo de infecção ou inflamação vaginal que precisa ser avaliada e tratada adequadamente por um profissional da área, o ginecologista.

Corrimento vaginal na gravidez é normal?

O corrimento vaginal na gravidez também é bastante comum e muitas vezes está relacionado com as alterações fisiológicas que ocorrem nesse período.

Porém, a grávida deve estar atenta a corrimentos vaginais com pus, mau cheiro e que causem prurido (coceira) ou dor abdominal. Estes devem ser sempre investigados e tratados para prevenir complicações para a mãe e para o bebê.

Qual a causa ou origem do corrimento vaginal normal?

A vagina da mulher é recoberta por um tipo especial de "pele" chamada mucosa. Em geral, todas as mucosas são úmidas e possuem pequenas glândulas produtoras de muco, que é um tipo de secreção viscosa.

Isso significa que a vagina pode ter uma secreção natural ou normal, que é um líquido espesso com cor transparente ou levemente esbranquiçada, sem cheiro e com sabor levemente salgado.

Durante o ciclo menstrual, algumas mulheres podem apresentar alterações hormonais e um aumento da secreção vaginal normal. A excitação sexual também provoca o aumento das secreções normais.

Mulheres Fiquem atentas na Menstruação!

postado em 8 de mai de 2018 05:35 por Tiago Morandi

Em uma relação sexual desprotegida em que ocorre o coito interrompido há chance de ocorrer a gravidez.

Fonte:https://medicoresponde.com.br/tag/ginecologista/

coito interrompido não é uma técnica indicada enquanto método contraceptivo. O coito interrompido, caracterizado pela ejaculação fora da vagina, pode apresentar falhas no tempo em que a ejaculação ocorre, além de poder conter esperma no líquido pré-ejaculatório. Sendo assim, a taxa de falha do coito interrompido é em torno de 20%.

Após uma relação havendo coito interrompido, a mulher pode engravidar

sangramento descrito pode ser considerado a menstruação, mas pode se tratar de outros tipos de sangramento.

Por isso, diante um atraso menstrual, é recomendado a realização de um teste de gravidez para saber melhor se a mulher está grávida ou não. No período em que realizou o teste de farmácia foi um período muito próximo para dar resultado positivo. Então, é recomendado repetir o teste para saber se está grávida ou não.

Como o ciclo menstrual é desregulado e não há desejo de gravidez, seria importante escolher um método contraceptivo eficaz e seguro para o casal. Procure um serviço de saúde para uma consulta de planejamento familiar e avaliação do método contraceptivo mais apropriado na situação de vocês. 

Catarata Congênita A principal responsável pela cegueira infantil!

postado em 13 de abr de 2018 07:08 por Tiago Morandi

A Catarata Congênita, responsável pela principal causa de cegueira na infância, é uma lesão ocular que provoca alterações no cristalino – lente natural dos olhos que nos ajuda a focar a luminosidade que vem de fora – gerando graus de opacidade (embaçamento) que podem levar à cegueira infantil. 

Fonte:http://blog.coioftalmologia.com.br/catarata-congenita-voce-sabe-o-que-e/

Sintomas da Catarata congênita

Além do esbranquiçamento das pupilas do bebê, outros sintomas também são facilmente perceptíveis externamente, como o estrabismo, movimentos não coordenados dos olhos em diversas direções ou um olho apresentando tamanho menor que o normal.

Causas possíveis

Como maior motivo de cegueira na infância, esse tipo de catarata merece muita atenção. As suas principais causas são anomalias de desenvolvimento, fatores hereditários, infecções embrionárias, parasitárias e tóxicas ou até mesmo irradiação recebida pela gestante durante qualquer período da gravidez.

Doenças como rubéola, toxoplasmose e a sífilis materna também podem ocasionar problemas de catarata no feto ou recém-nascido. A doença se manifesta normalmente em ambos os olhos, com forma e intensidade variadas, podendo ocorrer como enfermidade isolada ou associada a outras formações oculares deficientes.

Tratamento indicado

Enquanto nos casos de outras formas de catarata já estão sendo testados tratamentos à base de colírios, a congênita necessita de uma intervenção mais focada e rápida, garantindo a saúde ocular do bebê e evitando danos visuais irreversíveis no futuro.

O tratamento vai depender do grau de opacidade e da localização da lesão no cristalino, além de outras alterações oftalmológicas relacionadas à idade da criança. O mais comum é que seja feito um procedimento cirúrgico de extração da catarata e colocação de lentes intraoculares. Os resultados são satisfatórios em longo prazo e podem ser melhores quando realizados nas primeiras doze semanas de vida.

É importante ressaltar que o acompanhamento de um oftalmologista não é dispensado nos casos positivos de recuperação da catarata congênita. A criança estará mais segura se sua saúde ocular for monitorada por um especialista de confiança e de forma regular ao longo da sua vida.

Agora que você aprendeu a identificar os sinais de Catarata Congênita, conheça mais sobre a moderna cirurgia de catarata.

Catarata: Por que você deve operar?

postado em 12 de abr de 2018 10:12 por Tiago Morandi

A catarata é uma doença ocular muito comum na população. Geralmente, ela surge de forma adquirida, mas também pode ser congênita. Assim que os seus sintomas começam a surgir, a cirurgia de catarata é indicada. Seus benefícios para o paciente são muitos — aumentando, inclusive, a expectativa de vida, conforme pesquisa realizada com 74 mil pacientes. Se é o seu caso, veja a seguir por que você deve fazer uma cirurgia de catarata.


O que é catarata

Existe uma lente transparente, atrás da pupila, denominada “cristalino”. Ela tem a função de convergir em imagem a luz que entra nos olhos. E quando esse cristalino começa ficar opaco, impedindo que a luz passe corretamente, temos a catarata. Basicamente, a nitidez das imagens fica prejudicada e tudo começa ficar esbranquiçado.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde(OMS), essa doença atinge cerca de 20 milhões de pessoas no mundo. Sua opacidade pode ser adquirida de forma congênita (mais raro), ou por conta da idade da pessoa — comumente em pessoas com mais de 60 anos.

Quando fazer a cirurgia de catarata

A catarata inicia como um pequeno desconforto na visão. Conforme o tempo passa, as atividades diárias são prejudicadas: dificuldade para ler, reconhecer rostos, distinguir cores ou até trocas constantes da graduação dos óculos. Nesse momento, você já pode procurar um médico.

Após o diagnóstico do oftalmologista, talvez seja necessário fazer uma série de exames para acompanhar a evolução da doença e evitar situações perigosas. Com isso, o próprio médico indicará o momento certo para a cirurgia de catarata.

Quais são os sintomas da progressão da catarata

À medida que o tempo passa, a opacificação do cristalino se torna mais densa, piorando a nitidez das imagens. E essa progressão também pode modificar o grau dos óculos. O portador de catarata pode se tornar míope ou piorar sua miopia nesse período.

Existem diversos tipos de opacidade do cristalino. O mais comum é o tipo que, mesmo muito avançado, ou “maduro”, permite a passagem de luz nos olhos até um certo nível. Desse jeito, mesmo a nitidez não sendo perfeita o paciente ainda é capaz de enxergar.

Há tipos mais limitantes, que podem piorar a visão em locais com muita luz ou causar grandes dificuldades de dirigir à noite. E ainda os tipos que prejudicam a formação completa das imagens. O paciente pode perceber a presença de luz, mas caminha com o auxílio de outras pessoas.

Quais são os riscos de adiar a cirurgia

Para a cirurgia de catarata, é utilizado uma técnica que consiste na microfragmentação e aspiração do cristalino. No seu lugar, é implantada uma lente intraocular para a correção.

Quanto mais madura ou avançada for a doença, em mais tempo a cirurgia de catarata ocorre. Isso causa um aumento do fluxo de fluídos para a realização da aspiração das partículas do cristalino. Portanto, leva a uma perda maior de células que não têm regeneração.

Quais são os benefícios da cirurgia de catarata

As lentes intraoculares darão uma maior qualidade de vida para o portador da catarata. Suas atividades rotineiras serão desenvolvidas sem dificuldade e sem auxílio de outra pessoa. E a dependência de uma correção óptica será menor.

Saiba aqui ainda mais informações sobre as lente intra-oculares para a cirurgia de catarata! 

Além disso, uma pesquisa publicada na revista JAMA Ophthalmology — uma das principais da área de oftalmologia em todo mundo — ressalta que a cirurgia de catarata pode aumentar a longevidade em cerca de 5 anos.

Ainda de acordo com a pesquisa, pacientes que passaram pela cirurgia de catarata apresentaram menor mortalidade ligada a doenças vasculares, neurológicas, pulmonares, infecciosas e câncer! Sem contar que o fato de o paciente enxergar melhor reduz o risco de queda frequente na terceira idade.

Enfim, vimos aqui o que é catarata e quais são seus sintomas, os riscos de não operar e os benefícios de fazer a cirurgia de catarata. Além de melhorar a qualidade de vida, ela aumenta a longevidade, segundo pesquisa realizada por mais de 20 anos.

Então, ficou com alguma dúvida ou gostaria de saber mais sobre catarata e outras doenças oculares? Assine a nossa newsletter e fique bem informado com conteúdos fresquinhos na sua caixa de entrada!

FIQUE ATENTA - CHECK UP VASCULAR

postado em 13 de mar de 2018 09:59 por Tiago Morandi

Qual a importância do check-up vascular?

O check-up vascular é essencial para garantir a longevidade, com qualidade de vida e com foco na prevenção de doenças. A consulta médica preventiva é essencial para detectar precocemente as predisposições de cada paciente e evitar o aparecimento e, até mesmo, a evolução de doenças.


O médico vascular ou angiologista solicita uma série de exames importantes, como exames de sangue, imagem e também a avaliação física, feita no próprio consultório. Com todos esses dados em mãos, o médico é capaz de prevenir a ocorrência de doenças cardiovasculares, como infarto e AVC.

As consultas preventivas com o angiologista também são essenciais para impedir quadros dos seguintes problemas de saúde:


  • Hipertensão arterial;
  • Formação de placas de gordura nas artérias;
  • Derrame;
  • Amputação;
  • Trombose;
  • Aneurismas;
  • Entre outros.

Na consulta, o médico consegue identificar fatores de risco e fazer o diagnóstico preventivo, orientando os pacientes para mudanças de hábito ou mesmo receitando algumas medicações que podem prevenir eventos súbitos e fatais.


 Tratamentos mais comuns

As doenças cardiovasculares, em sua maioria, são ligadas à aterosclerose, um distúrbio causado pela formação e calcificação de placas de gordura na parede das artérias, causando obstrução arterial, derrames e outros problemas.

Os angiologistas também fazem o tratamento de varizes nas pernas com cirurgia e medicação, tromboses (coagulação de sangue), embolia pulmonar, entre outros problemas de saúde. As doenças vasculares, assim como outros tipos de doenças, podem estar diretamente ligadas a outros problemas de saúde, como diabetes, hipertensão, obesidade, sedentarismo, tabagismo, má alimentação, consumo de álcool em excesso, entre outros fatores.

Depois da consulta de check-up, o médico orienta os pacientes de maneira geral e específica, com todos os hábitos necessários para manter a qualidade de vida e a saúde.

 

Fonte: http://www.andreaklepacz.com/noticias-sobre-cirurgia-vascular-e-saude-dra-andrea-klepacz/

MENOPAUSA

postado em 13 de mar de 2018 09:47 por Tiago Morandi

A menopausa é o nome dado à última menstruação, que geralmente acontece entre 45 e 55 anos, marcando o fim da fase reprodutiva da vida da mulher. Isso significa que ela esgotou seu estoque de óvulos, que foram liberados desde a puberdade, mês a mês, ao longo de 30, 35 anos. O período que se segue após a cessação da menstruação é chamado de climatério. Segundo o médico cancerologista Drauzio Varella, pelo menos 18 milhões de brasileiras estão atualmente no climatério.



A palavra climatério significa “fase crítica” e dá nome a um período realmente conturbado da vida feminina, que começa por volta dos 40 anos e se estende até a pós-menopausa. Sua principal característica são as transformações físicas e emocionais decorrentes do desequilíbrio na produção dos hormônios femininos pelos ovários.


Os sintomas que marcam a entrada no climatério são semelhantes aos de uma TPM, só que acentuada e prolongada. Na TPM, a sensação de inchaço no corpo e mamas, as dores fortes de cabeça ou enxaquecas, as alterações de humor (nervosismo, irritação, tristeza profunda e mesmo depressão) podem manifestar-se ao longo de até quinze dias antes da menstruação. Do meio para o fim do climatério são comuns, ainda, a irregularidade nos ciclos e a variação do fluxo menstrual.


A ginecologista da Clínica FemCare, Prof. Flávia Fairbanks,  explica que nesta fase da vida, a mulher pode apresentar diversos sintomas, isolados ou em conjunto. Os mais comuns são fogachos (ondas de calor), insônia, palpitações, diminuição da libido e da capacidade de concentração, secura vaginal que causa dor ou desconforto nas relações sexuais e mal-estar geral. E atenção: até 80% das mulheres vão sofrer com os fogachos.


A maior consequência da menopausa é a perda da capacidade de produzir um hormônio feminino muito importante: o estrogênio. “Esse fato é responsável pelos sintomas desagradáveis deste período e, a longo prazo, pode também comprometer a saúde cardiovascular, aumentando os riscos”, acrescenta a Dra. Flávia.

Alertas


Algumas mulheres chegam à menopausa precocemente, antes dos 40 anos. E isso acontece por inúmeras causas, sendo as mais comuns a herança genética, a exposição ambiental a agressores (por exemplo, radiação quimioterapia), entre outras. “Há necessidade de acompanhamento ginecológico e, na maioria das vezes, quando não há contraindicação absoluta, indica-se a reposição hormonal”, explica a Dra. Flávia.


Mas e se a mulher passou dos 55 e ainda não chegou à menopausa? O que fazer? Para a Dra. Flávia, esses casos são mais comuns em famílias nas quais há casos parecidos de menopausa tardia. “Essas mulheres podem ter risco aumentado para algumas doenças estrogênio-dependentes, como lesões mamárias, ovarianas e uterinas”, avisa.


Durante a  menopausa aumenta o risco de doenças cardiovasculares, como hipertensão arterial, diabetes e dislipidemias (aumento de lípides sanguíneos), além da ocorrência de osteoporose e de alguns tipos de câncer, tais como câncer  de mamas, ovários e endométrio.
Em relação a gravidez, as mulheres devem estar informadas de que após a instalação definitiva do climatério, ou seja, 12 meses após a menopausa, não há mais chances de gestação natural com óvulos da própria mulher. No entanto, caso receba óvulos doados, ela poderá gestar. Para isso, é importante estar com boa saúde.

Convivendo com o Climatério
Mas não é fácil lidar com essas mudanças, por isso é fundamental contar com o apoio dos familiares. “Eles devem entender que este é um período de transição e de profundas oscilações hormonais, logo, requer cuidados especiais e paciência”, enfatiza Dra. Flávia.
Para tirar de letra essa fase, a médica aconselha manter um estilo de vida saudável, que poderá ser obtido mais facilmente por meio de assistência  multiprofissional: médica, nutricional e psicológica.


Ela lembra que as mulheres precisam sempre buscar informações sobre as mudanças que ocorrem em seu corpo. “Não há nada mais importante do que entender o que está acontecendo consigo mesma, principalmente em momentos de mudanças profundas, como ocorre neste período. Isso auxilia na melhor aceitação dos processos, na adesão aos tratamentos propostos e, a longo prazo, na manutenção da qualidade de vida”, finaliza a Dra. Flávia.

Fontes:
– “Menopausa sem segredo”, programa do Dr. Drauzio Varella apresentado no Fantástico – 
g1.globo.com/fantastico/noticia/2016/09/menopausa-sem-segredo-drauzio-varella-esclarece-fase-em-nova-serie.html

OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E CONTRACEPÇÃO

postado em 13 de mar de 2018 09:41 por Tiago Morandi

A obesidade altera a eficácia dos contraceptivos?

A obesidade pode afetar a forma como os medicamentos orais são absorvidos e distribuídos no organismo, incluindo as pílulas que podem ter sua eficácia diminuída.


Pq pensar em contracepção nesse caso?

Devido a um aumento dos eventos adversos associados com a gestação em mulheres obesas aconselha-se que esse grupo de mulheres utilizem métodos contraceptivos altamente eficazes e que esses métodos não aumentem o risco cardiovascular que já é aumentado e nem aumentem o peso. Existem algumas possibilidades de contracepção que atendem essas características, um exemplo são os LARCs (métodos de longa ação) como o DIU de cobre, DIU hormonal ou SIU e o implante, eles além de não aumentar o risco cardiovascular, serem 20x mais eficazes que métodos de curta ação (como as pílulas) estudos demonstram que os DIUS não impactam no peso e o implante provavelmente também não.

 

A cirurgia bariátrica requer atenção especial:

  • A perda de peso após a cirurgia pode melhorar a regularidade menstrual e consequentemente a fertilidade.
  • Há uma necessidade de se adiar a gestação após a realização da cirurgia bariátrica.
  • Consensos recomendam que a gestação seja evitada por 12 -24 meses após o procedimento.
  • Mulheres submetidas à cirurgia bariátrica necessitam de contracepção eficaz e de longo prazo.
  • Métodos como pílulas, adesivo transdérmico, anel vaginal, injetável mensal não são recomendados para pacientes obesas que serão submetidas a cirurgias.
  • Após a cirurgia, a depender da técnica utilizada, medicamentos orais podem ter sua absorção prejudicada.
  • Métodos não orais e que não impactem no risco cardiovascular e peso são novamente as melhores opções, são eles: DIU de cobre, DIU hormonal e implante.
  • Devemos ter certa atenção com o DIU de cobre, pois cerca de metade das pacientes após a cirurgia apresentam anemia que pode ser agravada pelo aumento do fluxo menstrual provocado pelo DIU de cobre.

 

Fonte:http://www.brasil.gov.br/saude/2017/04/obesidade-cresce-60-em-dez-anos-no-brasil

Previna-se contra o câncer de pele neste verão!

postado em 19 de fev de 2018 11:43 por Tiago Morandi   [ 19 de fev de 2018 11:47 atualizado‎(s)‎ ]

O verão chegou e, com ele, a preocupação com a exposição excessiva aos raios solares e os riscos do câncer de pele. Para alertar a população sobre os riscos da estação mais quente do ano, especialistas têm falado sobre a importância da prevenção.

Quais são os tipos mais comuns da doença?

A neoplasia que acomete a pele se divide em dois tipos: não melanoma e melanoma. Dentre os cânceres não melanoma, há o carcinoma basocelular (CBC) que é o mais frequente, menos agressivo e causado pela exposição inadequada ao sol; e o carcinoma espinocelular ou epidermoide (CEC), mais agressivo e de crescimento mais rápido. Já o melanoma é o mais grave dos tumores de pele devido à sua alta possibilidade de metástase.

Qual a importância do uso dos protetores solares?

O risco de câncer de pele é aumentado pela exposição da pele ao sol e à radiação ultravioleta. O filtro solar (preferencialmente com fator de proteção 30 ou superior) é capaz de formar uma barreira na pele que reduz a penetração de radiação ultravioleta, reduzindo assim as chances de dano celular para a pele.

O filtro solar deve ser usado apenas no verão?

Não. É recomendado o uso de filtro solar diariamente em áreas foto expostas (por exemplo: quando utilizamos calça e camisa para sair, os braços, face e pescoço estão expostos). É válido lembrar que mesmo em dias chuvosos ou nublados existe luz solar e radiação, portanto o uso diário e contínuo é recomendado para prevenção. Na primavera e verão, a incidência de radiação solar aumenta, sendo recomendado cuidado maior nesta época do ano. O filtro deve ser renovado a cada 2 ou 3 horas idealmente para que se mantenha uma proteção uniforme ao longo do dia.


Falando em prevenção, quais são os fatores de riscos para a doença?

Além das pessoas que tomaram muito sol ao longo da vida sem a proteção adequada, indivíduos com a pele, cabelos e olhos claros têm mais chances de sofrer o tipo carcinoma basocelular (CBC), assim como aqueles que têm albinismo ou sardas pelo corpo. Outros fatores de risco como, história prévia de câncer, histórico familiar de melanoma, pintas escuras, doenças congênitas que se caracterizam pela intolerância total da pele ao sol, queimaduras externas, lesões crônicas e tumores múltiplos, além de lesões escuras da pele com alterações celulares pré-cancerosas, também precisam de atenção.

E quais são os sintomas da doença? 

Alguns dos sintomas da doença envolvem o aparecimento de manchas, bolinhas que sangram facilmente, feridas que não cicatrizam. Crescimento ou aparecimento de pintas são os principais sintomas do câncer de pele. É recomendado que um especialista seja procurado, imediatamente, após a identificação destes sinais, para verificação.

Conheça algumas medidas simples que ajudam a prevenir o câncer de pele:

  • - Usar chapéus, camisetas e protetores solares;
  • - Evitar a exposição solar e permanecer na sombra entre 10h e 16h (horário de verão);
  • - Usar filtros solares diariamente com fator de proteção solar (FPS) 30, no mínimo. Reaplicá-lo a cada duas horas, a cada mergulho no mar ou piscina, ou ao secar o corpo com toalha;
  • - Ao observar o crescimento ou mudança de forma das pintas, procurar imediatamente um especialista.

Ficou alguma duvida sobre o assunto? Identificou alguma coisa diferente em sua pele?  Entre em contato conosco, e agende já uma visita para conhecer os tratamentos disponíveis em nossa clínica. 😉





1-10 of 55